quinta-feira, 30 de agosto de 2007

PAI NO CHÃO...

VITAL E SUA MOTO (música)
Os Paralamas do Sucesso

Vital andava a pé e achava que assim estava mal
De um ônibus pro outro aquilo para ele era o fim
Conselho de seu pai: "Motocicleta é perigoso, Vital.
É duro de negar, filho, mas isto dói bem mais em mim."
Mas Vital comprou a moto e passou a se sentir total
Vital e sua moto, mas que união feliz
Corria e viajava era sensacional
A vida em duas rodas era tudo que ele sempre quis


Vital passou a se sentir total
No seu sonho (de metal)

Vital passou a se sentir total
No seu sonho de (metal)

Os Paralamas do Sucesso iam tentar tocar na capital
E a caravana do amor então pra lá também se encaminhou
Ele foi com sua moto, ir de carro era baixo astral
Minha prima já está lá e é por isso que eu também vou



*************************


Acho que hoje começa um novo caminho na minha vida...

Em 16 de outubro de 2004 postei um texto chamado O Primeiro Tombo que eu contava meu primeiro tombo.

No fotolog contei O PRIMEIRO TOMBO A GENTE NUNCA ESQUECE... que eu falava do tombão que meu filho tomou (trouxe o texto para quem tem preguiça de viajar na net):

"Pois é, além de estar sem auxiliar para assuntos de limpeza, fiquei sem meu melhor ajudante de ordem.

Hoje, voltando da faculdade, ele deu uma distraída e tomou um pacote, assim meio de bobeira mesmo.

Quando vi ele chegar ralado, falei uma frase que já repeti um sem número de vezes quando ele era menino: "Já pro banho! Vai arder, mas passa bastante sabonete em cima".

Quando ele saiu do banho eu já estava com o material de curativo à mão: tesoura, esparadrapo, atadura e bananas.

Bananas sim! A face interna da casca da banana é o melhor cicatrizante e anti-inflamatório que conheço. Amanhã trocamos o curativo 3 vezes ao dia e depois de amanhã ele já tá bom.

A primeira coisa que fui ver foi o capacete. Sempre me agradeço por não ter economizado nesse quesito. O bichinho é valente!

A moto? Não sei, vou ver só amanhã com mais atenção. Pelo menos eu sei que vou morrer em 2 piscas novos, 1 ou 2 pedaleiras, um pouco de lanternagem aqui e ali e desempenar o guidon.

Agora ele virou o Xão, O Muminha..."


*****************

Meus tombos não me doeram, mas...


Nunca falei, nem aqui, nem no fotolog dos dois tombos do marido. Não sei o porquê, mas nunca falei.


Hoje passei algo que nunca mais quero passar.

Fomos, marido e eu, buscar o carro na oficina. Mesmo em baixo de chuva fina e muito frio fomos de moto, até porque era nosso único veículo.

Na ida calados, apreensivos porque o chão estava escorregadio e sabíamos dos perigos. Ele pilotando e eu de garupa.

Na oficina resolvemos que ele voltaria com a moto e eu iria direto buscar o filho que, pelo horário, estava saindo do trabalho. Falei brincando com ele: "Vai devagar, com cuidado... porque você sabe que o chão está escorregadio e você trouxe a gente em segurança, vai com cuidado".

Esperei ele sair da oficina e quando o trânsito ficou difícil para um carro, mas fácil para uma moto... ele me esperou.

Até que ficamos lado-a-lado e eu buzinei. Ele acenou dizendo que "ia tocar" e eu acenei respondendo "vai".

Não andamos 50 metros e uma das muitas pessoas que dirigem extremamente mal nesta cidade cortou a frente dele... de carro.

Como eu estava muito perto, não cheguei a ver ele cair, mas vi ele caído no chão com a moto em cima do pé dele. Eu estava de carro e por essa limitação, ou subia e transitaria pela calçada, ou chegava nele mais lentamente e de forma mais segura. Optei por ir de forma mais segura.

Bom... para finalizar:

A senhora que bateu na minha moto que estava com ele falou que ele estava errado e foi embora.

Pelas leis de trânsito brasileiras ELA DEVERIA FICAR PARA PRESTAR SOCORRO e não ficou.

Hoje ela cometeu um "crime de trânsito" e agora esta parte vai ficar com a polícia.

Quanto a mim.... não quero mais motos.

Nâo quero mais ver meu filho ralado e nem quero ver meu marido no chão por causa da incompetência e da falta de noção de maus motoristas (independente de serem homens ou mulheres).

Gosto do vento.

Gosto da liberdade que a moto sempre me trasmitiu.

Gosto de ousar.

Gosto de me sentir parte da paisagem.

Mas não gosto da dor!

"Logo que surgiu no planeta terra, a motocicleta ganhou uma enorme legião de apaixonados. Como uma extensão do próprio corpo, a motocicleta permite que alguém passe de telespectador (quando vemos o mundo da janela de um carro) à figura pertencente à cena, personagem atuante que sente e que vivencia os acontecimentos". (autor desconhecido)

Um dia a moto será apenas um clarão nesse meu luar, e se eu trouxe ela para minha família cabe a mim tirá-la.

Não sem dor, nem sem lágrimas.

4 comentários, falta o seu:

O Profeta disse...

Desprendem-se gotas do azul na água
O tempo continuará a existir
Ávida terra de assombro
Vacilantes passos no partir

Manhã submersa de neblinas
A noite teceu seu manto
A agua na sua eterna viagem
Cobriu a ilha de pranto


Profético beijo

Bruxinhachellot disse...

O extase de andar de moto é indescritível, mas as conseqüências são desastrosas. No Profissão Reporter Especial desta semana na Globo mostrou algumas situações como acidentes e infrações cometidas tanto por motoqueiros como por motoristas de auto. Se não quiser se desfazer da moto, deixe-a para trafegar em locais de menos movimento e ainda poderá desfrutar da sensação boa de liberdade que ela proporciona.

Beijos de rosa.

Lua Nua disse...

Obrigada pelo carinho Profeta.

Bruxinha,
Eu também vi o programa, e mais do que ver, eu sei que aquilo acontece mesmo, e mais do que acontecer, minha cidade está crescendo em número de carros e motos e a "guerra" anda piorando, fora o fato que aqui dirigem MUITO mal.

Adorei sua idéia de limitar o uso da moto. Sempre acho que o caminho do meio é o melhor.

Beijão

CIGANA VIOLETA disse...

Sempre tive paúra de moto..
realmente é um veículo que não fornece muita segurança..
mas tem seus apaixonados..eimagino que deva ser gostosa a sensação...

É...ás vezes precisamos cortar u pedacinho de nossa alma...

Vc consegue!

bejos!

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...