domingo, 14 de julho de 2019

Sim! Sou velhota, mas adoro visão moderna de vida. Acho importante estarmos sempre atentos a mudar... senão cria mofo e teia de aranha. Uma visão moderna sobre política na ótica do amigo Carlos Quintella

terça-feira, 16 de abril de 2019

CRUSOÉ - “O amigo do amigo de meu pai”

“O AMIGO DO MEU PAI”
Em documento a que Crusoé teve acesso, o empreiteiro Marcelo Odebrecht revela à Lava Jato o codinome usado para se referir a Dias Toffoli na empreiteira
Rodrigo Rangel
Mateus Coutinho

Na última terça-feira, um documento explosivo enviado pelo empreiteiro-delator Marcelo Odebrecht foi juntado a um dos processos da Lava Jato que tramitam na Justiça Federal de Curitiba. As nove páginas trazem esclarecimentos que a Polícia Federal havia pedido a ele, a partir de uma série de mensagens eletrônicas entregues no curso de sua delação premiada.

No primeiro item, Marcelo Odebrecht responde a uma indagação da Polícia Federal acerca de codinomes que aparecem em e-mails cujo teor ainda hoje é objeto de investigação. A primeira dessas mensagens foi enviada pelo empreiteiro em 13 de julho de 2007 a dois altos executivos da Odebrecht, Irineu Berardi Meireles e Adriano Sá de Seixas Maia. O texto, como os de centenas de outras e-mails que os executivos da empreiteira trocavam no auge do esquema descoberto pela Lava Jato, tinha uma dose de mistério. Marcelo Odebrecht pergunta aos dois: “Afinal vocês fecharam com o amigo do amigo do meu pai?”. É Adriano Maia quem responde, pouco mais de duas horas depois: “Em curso”. A conversa foi incluída no rol de esclarecimentos solicitados a Marcelo Odebrecht. Eles queriam saber, entre outras coisas, quem é o tal ”amigo do amigo do meu pai”. E pediram que Marcelo explicasse, “com o detalhamento possível”, os “assuntos lícitos e ilícitos tratados, assim como identificação de eventuais codinomes”.

A resposta do empreiteiro, que após passar uma longa temporada na prisão em Curitiba agora cumpre o restante da pena em regime domiciliar, foi surpreendente. Escreveu Marcelo Odebrecht no documento enviado esta semana à Lava Jato: “(A mensagem) Refere-se a tratativas que Adriano Maia tinha com a AGU sobre temas envolvendo as hidrelétricas do Rio Madeira. ‘Amigo do amigo de meu pai’ se refere a José Antonio Dias Toffoli”. AGU é a Advocacia-Geral da União. Dias Toffoli era o advogado-geral em 2007.

O empreiteiro prossegue, acrescentando que mais detalhes do caso podem ser fornecidos à Lava Jato pelo próprio Adriano Maia. “A natureza e o conteúdo dessas tratativas, porém, só podem ser devidamente esclarecidos por Adriano Maia, que as conduziu”, afirmou no documento, obtido por Crusoé.
Adriano Maia se desligou da Odebrecht em 2018, depois do turbilhão que engoliu a empreiteira. Ex-diretor jurídico da construtora, seu nome já havia aparecido nos depoimentos da delação premiada de Marcelo Odebrecht. Ele é citado como conhecedor dos negócios ilícitos da empresa. O empreiteiro diz que Adriano Maia sabia, por exemplo, do pagamento de propinas para aprovar em Brasília medidas provisórias de interesse da Odebrecht. Ele menciona, entre os casos, a MP que resultou no chamado “Refis da Crise” e permitiu a renegociação de dívidas bilionárias após acertos pouco ortodoxos com os ex-ministros Guido Mantega e Antonio Palocci.

Adriano Maia também aparece em outras trocas de mensagens com Marcelo Odebrecht que já constavam nos inquéritos da Lava Jato. Em uma delas, também de 2007, Odebrecht o orienta a estreitar relações com Dias Toffoli na Advocacia-Geral da União. Àquela altura, a Odebrecht tinha interesse, juntamente com outras construtoras parceiras, em vencer a licitação para construção e operação da usina hidrelétrica de Santo Antônio, no rio Madeira. Na AGU, Toffoli havia montado uma força-tarefa com mais de uma centena de funcionários para responder, na Justiça, às ações que envolviam o leilão.

Havia um esforço grande do governo para dar partida às obras. O leilão para a construção da usina de Santo Antônio foi realizado em dezembro de 2007, cinco meses após a mensagem em que Marcelo Odebrecht pergunta aos dois subordinados se eles “fecharam com o amigo do amigo de meu pai”. A disputa foi vencida pelo consórcio formado por Odebrecht, Furnas, Andrade Gutierrez e Cemig. A Lava Jato trabalha para destrinchar o que há por trás dos e-mails – e dos codinomes que, agora, a partir dos esclarecimentos de Marcelo Odebrecht, são conhecidos.

A menção a Dias Toffoli despertou, obviamente, a atenção dos investigadores de Curitiba. Uma cópia do material foi remetida à procuradora-geral da República, Raquel Dodge, para que ela avalie se é o caso ou não de abrir uma frente de investigação sobre o ministro – por integrar a Suprema Corte, ele tem foro privilegiado e só pode ser investigado pela PGR.

Os codinomes relacionados às amizades de Marcelo e do pai dele, Emílio Odebrecht, já apareciam nas primeiras mensagens da empreiteira às quais a Polícia Federal teve acesso, ainda na 14a fase da Lava Jato, deflagrada em junho de 2015. No material, havia referências frequentes a “amigo”, “amigo de meu pai” e “amigo de EO”.

Demorou pouco mais de um ano para que os investigadores colocassem no papel, pela primeira vez, que o “amigo de meu pai” a que Marcelo costumava se referir era Lula – o ex-presidente conhecia Emílio Odebrecht desde os tempos em que era sindicalista. As mensagens passaram a fazer ainda mais sentido depois. Elas quase sempre tratavam de assuntos relacionados ao petista.

Se havia a certeza de que o “amigo de meu pai” era Lula, ainda era um enigma quem seria o tal “amigo do amigo de meu pai”. Sabia- se que, provavelmente, era alguém próximo a Lula. Mas faltavam elementos para cravar o “dono” do codinome e, assim, tentar avançar na apuração. A alternativa que restava era, evidentemente, perguntar ao próprio Marcelo Odebrecht. E assim foi feito.
Há fundadas razões, como se diz no jargão jurídico, para Dias Toffoli ser tratado por Marcelo Odebrecht como “amigo do amigo de meu pai” – amigo de Lula, portanto. O atual presidente do Supremo foi, durante anos a fio, advogado do PT. Com a chegada de Lula ao poder, ascendeu juntamente com os companheiros. Sempre manteve ótima relação com o agora ex-presidente, que está preso em Curitiba.

Em 2003, Dias Toffoli foi escolhido para ser o subchefe de assuntos jurídicos da Casa Civil. Naquele tempo, o ministro era José Dirceu. Toffoli ocupou o posto até julho de 2005. Em 2007, foi nomeado por Lula chefe da Advocacia-Geral da União, um dos cargos mais prestigiosos da máquina federal. Em 2009, deu mais um salto na carreira: Lula o escolheu para uma das onze vagas de ministro do Supremo Tribunal Federal.

Nesta quinta-feira, Crusoé perguntou a Dias Toffoli que tipo de relacionamento ele manteve com os executivos da Odebrecht no período em que chefiava a AGU e, em especial, quando a empreiteira tentava vencer o leilão para a construção das usinas hidrelétricas no rio Madeira. Até a publicação desta edição, porém, o ministro não havia respondido.

Os outros e-mails listados na resposta de Marcelo Odebrecht ao pedido de esclarecimentos feito pela Polícia Federal trazem mais bastidores da intensa negociação travada entre a empreiteira e o governo em torno dos leilões para a construção das usinas na região amazônica – projetos que, na ocasião, eram tratados por Brasília com grande prioridade e que, como a Lava Jato descobriria mais tarde, viraram uma fonte generosa de propinas para a cúpula petista.

Ao explicar uma das mensagens, Marcelo Odebrecht volta a envolver o ex-presidente Lula diretamente nas controversas negociações com a companhia. Ao se referir à decisão da empresa de abrir mão de um contrato de exclusividade com seus fornecedores no processo de licitação da usina de Santo Antônio, Marcelo afirma que a medida foi adotada a partir de uma conversa privada entre Lula e Emílio Odebrecht.

Diz ele: “Esta negociação foi feita entre Emílio Odebrecht e o presidente Lula (‘amigo de meu pai’) que prometeu compensar a Odebrecht em dobro (de alguma forma que só Emílio Odebrecht pode explicar)”. Também há menção a Dilma Rousseff, tratada em um dos e-mails como “Madame”. A então ministra da Casa Civil de Lula era vista, àquela altura, como um empecilho aos projetos da Odebrecht na área de energia na região norte do país. As mensagens trazem, ainda, referências aos pedidos de propina relacionados aos leilões, que chegavam por intermédio de João Vaccari Neto, ex-tesoureiro do PT.

Com as respostas do empreiteiro- delator, a Lava Jato deverá dar mais um passo nas investigações sobre os leilões das hidrelétricas. Uma das frentes de apuração, que mira a construção da usina de Belo Monte, já está avançada. Quanto à menção de Marcelo Odebrecht a Dias Toffoli, não se sabe, até aqui, se a Procuradoria-Geral da República pedirá algum tipo de esclarecimento ao ministro antes de decidir o que fazer. Como advogado-geral da União, Toffoli tinha a atribuição de lidar com o tema. Até por isso, não é possível, apenas com base na menção a ele, dizer se havia algo de ilegal na relação com a empreiteira. Mas explicações, vale dizer, são sempre bem-vindas.


O OCASO DE DIRCEU
A melancolia do outrora todo-poderoso chefe petista nos dias que antecedem a sua volta à prisão
Caio Junqueira
Chefe do mensalão, expoente do petrolão e condenado a mais de 30 anos de prisão, o ex-ministro José Dirceu vive seus últimos e melancólicos dias de liberdade antes do certo retorno à cadeia.

A influência no PT, o partido que ajudou a estruturar e a chegar ao poder, se esvaiu. As vendas do livro no qual apostou para pagar suas contas ficou aquém das expectativas. Sua festa de aniversário, em março, foi esvaziada. Os companheiros de partido mais próximos até tentam agradá-lo, com conversas frequentes, mas ele já não é mais nem a sombra do que foi no auge da era petista no poder. As alegrias que vem tendo são poucas, como a provocação de mau gosto que seu filho, o deputado Zeca Dirceu, fez há duas semanas ao ministro da Economia, Paulo Guedes, ao dizer que ele era “tchutchuca” com os abastados do país.


A volta à prisão é iminente. Em breve, ele será recolhido à penitenciária da Papuda, onde já esteve por uma longa temporada. O retorno ao cárcere se dará provavelmente em maio, quando o Tribunal Regional Federal da 4a Região julgará seu último recurso em uma ação da Lava Jato na qual ele é acusado de receber 2,1 milhões de reais em propinas decorrentes de um contrato da Petrobras com uma fornecedora de tubos.

Esse é apenas mais um entre vários processos a que o ex-todo- poderoso ministro petista responde por sua participação no petrolão. Nesse caso, foi condenado pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. A pena é de onze anos e três meses de prisão.

Dirceu está solto desde junho de 2018, graças a uma iniciativa do atual presidente do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli, seu ex-subordinado no PT e no governo Lula. Àquela altura, Toffoli integrava a Segunda Turma da corte e decidiu rever a pena do petista de ofício – sem que houvesse pedido da defesa. A decisão foi acompanhada por Gilmar Mendes e Ricardo Lewandowski.
O processo era distinto daquele que o TRF deverá julgar no próximo mês. Referia-se ao recebimento de 15 milhões de reais em propinas pagas pela Engevix. Por essa frente de investigação da Lava Jato, Dirceu foi condenado a 23 anos e três meses de prisão por lavagem de dinheiro, corrupção ativa e organização criminosa.

Às condenações pelo esquema de corrupção na Petrobras se somam os sete anos e onze meses de prisão da pena por corrupção ativa que lhe foi imposta pelo Supremo no processo do mensalão. No total, Dirceu cumpriu um ano de cadeia pelo mensalão e mais dez meses pelo petrolão — menos de 10% do somatório de todas as condenações.

O horizonte para o petista está longe de ser dos melhores. Além das sentenças que já carrega nas costas, ele é réu em outro processo, em que é acusado de receber 2,4 milhões de reais de empreiteiras por meio de contratos fictícios firmados com a sua empresa, a JD Consultoria.

Como se não bastasse, um relatório técnico do MPF apontou que a Odebrecht repassou, entre 2008 e 2012, pelo menos R$ 13 milhões a “Guerrilheiro”, um codinome atribuído a José Dirceu pelos delatores da construtora. O documento, de novembro de 2018, foi juntado a uma investigação sobre o petista e seu filho, o deputado Zeca Dirceu, que tramitava no STF, mas acabou remetida à Justiça Eleitoral do Paraná em março deste ano por Edson Fachin. Ante a profusão de acusações, ele já admite que, desta vez, vai ficar um longo período em regime fechado.

Nas conversas com amigos e colegas de partido, Dirceu tem deixado transparecer o desânimo. Embora ainda insista em tratar de política, e se esmere na distribuição de recomendações a serem seguidas pelo PT na oposição, ele gasta a maior parte do tempo falando sobre a expectativa do retorno à prisão.

Estranhamente, gosta de lembrar das temporadas que passou na Papuda. Fala da rotina, da disciplina e das amizades. Principalmente aquelas que fez com políticos com os quais compartilhou a vida no cárcere, seja na Papuda, seja em Curitiba, onde também esteve preso. É o caso dos ex-senadores Luiz Estevão e Gim Argello, do ex- deputado Pedro Correa e do ex- tesoureiro petista João Vaccari Neto.

A relação com Estevão, especialmente, tornou-se estreita. Adversários políticos no passado, os dois ficaram muito próximos na cadeia. Conversavam diariamente. Tratavam de política e de estratégias de defesa. O ex-senador chegou a oferecer a Dirceu a posição de articulista político em um site de sua propriedade. Depois, foi aconselhado a recuar da oferta porque a parceria não soaria bem.

Ao desfiar suas memórias da Papuda, Dirceu gosta de contar que Luiz Estevão, condenado pelo desvio milionário das obras do Tribunal Regional do Trabalho de São Paulo, bancou uma reforma no presídio para que detentos como ele tivessem uma vida menos insalubre – as obras, que passaram a ser alvo de investigação do Ministério Público, foram feitas na ala da penitenciária para onde costumam ser levados os presos famosos.

“Chega na prisão, não dá para brigar com ela. Porque chega lá e tem insônia, depressão, toma remédio, chora, quer a mãe. Eu resolvi escrever. Mas tinha companheiros que só choravam. Não faziam a barba. Eu falava: ‘Você vai receber seus filhos assim? Vai se arrumar. Para de chorar’. É duro ficar preso. Mas a cadeia tem que ser uma trincheira”, diz.

Para além das conversas reservadas e da rotina de quase clausura (ele evita frequentar ambientes onde possa correr, o ex- ministro tem se dedicado a sessões de divulgação de seu livro, “Zé Dirceu Memórias – volume I”. Desde o lançamento, em novembro, ele já passou por 22 capitais e dezenas de cidades do interior do país. As sessões costumam ocorrer em sindicatos, centros culturais e até mesmo em circos. A aliados, ele jura que a venda dos livros é, hoje, sua principal fonte de renda.

“Ele está seguindo a vida normalmente, esperando as decisões judiciais. Está aí como camelô de livro, vendendo o livro dele pelas ruas”, diz Luiz Fernando Emediato, o editor de Dirceu. Até agora, já foram vendidos 30 mil exemplares do livro, cada um a 60 reais. O petista recebe em torno de 10% do valor bruto de cada unidade, o que permite concluir que, até agora, ele já faturou aproximadamente 180 mil reais pela obra – quase nada perto dos milhões apurados por ele nos esquemas de corrupção descobertos pela Lava Jato. As vendas ficaram abaixo do esperado. “Foram um pouco menos que as projetadas”, admite o editor, atribuindo o fracasso à situação de penúria das maiores livrarias do país.

Além da renda com o livro, por ter sido deputado, Dirceu também recebe uma aposentadoria de aproximadamente 10 mil reais. Seus bens, avaliados em mais de 11 milhões de reais, estão bloqueados. O petista vive com a filha e a mulher em um apartamento emprestado pela sogra em um bairro nobre de Brasília.

Os encontros para divulgar o livro – e levantar dinheiro – são organizados por militantes que garantem atuar voluntariamente. Em muitas ocasiões, o PT oferece ajuda com o espaço de seus diretórios para as sessões de autógrafos. Mas poucos dos figurões petistas comparecem, o que só confirma que a influência de outrora se esvaiu. Dirceu é ouvido, mas suas posições já não são determinantes. “Não é alguém que o PT vai tomar uma decisão a partir do que ele fala”, disse a Crusoé um dirigente do partido.

Na noite desta quinta-feira, 11, Crusoé acompanhou uma dessas sessões de lançamento do livro no Gama, cidade-satélite de Brasília situada a 35 quilômetros da Esplanada dos Ministérios. Era o retrato perfeito da nova fase de Dirceu. Na “Casa 5”, um espaço para eventos típico das periferias das capitais, encravado em uma rua escura, com calçamento irregular e repleta de bares com idosos jogando dama nas calçadas tendo ao fundo o som de cânticos de igrejas evangélicas vizinhas, não havia mais que 50 pessoas.

No salão de cerca de 300 metros quadrados, o petista falou por quase uma hora sobre a formação do estado brasileiro enquanto crianças aproveitavam, bem ao lado, um pula-pula. Pouco antes de Dirceu começar falar, Chico Vigilante, deputado distrital e fundador do PT no Distrito Federal, fez um apelo aos presentes, repetindo a história de que o companheiro está necessitado: “É importante adquirir o livro porque o Zé não tem patrimônio e quer deixar uma poupança para a filha. Ele não sabe a situação dele nos próximos meses porque ninguém respeita a Constituição”.

Dirceu discorreu sobre a história do país (sob a ótica petista, claro), fez ataques ao presidente Jair Bolsonaro e abordou os dilemas do PT. “Se a situação mudou, nós temos que mudar. É ilusão pensar que não podem surgir outros partidos e lideranças. Quem aqui sabe o nome de alguém da direção do PT?”, provocou. Ninguém sabia. Para ele, tudo está mudando e o partido precisa se adaptar. Citou como exemplo da mudança a proximidade do petismo com grupos que, até há pouco, quando
o partido estava no poder, eram tratados como inimigos: “Quem diria há seis meses que estaríamos hoje defendendo o STF? Que estaríamos defendendo a Globo e a Folha contra o Bolsonaro? Que a CNA (Confederação Nacional da Agricultura) iria nos chamar para conversar?”. Ele se negou a falar com Crusoé.

O papel diminuído de Dirceu no PT é bem exemplificado pelo espaço que Dirceu terá no seminário que o partido realiza neste final de semana. Batizado de “O PT e os desafios da esquerda no século 21: utopia e resistência”, ele participará de uma mesa que discutirá “Estratégia Socialista e defesa da democracia no Brasil”. Ao seu lado estarão gente do quilate do ex-senador Lindbergh Farias, derrotado na eleição de 2018, e Juliano Medeiros, presidente do PSOL. Outro exemplo é a festa mirrada para comemorar seus 73 anos, em março. O clima era de despedida. O petista se emocionou por diversas vezes. Em um claro sinal de vacas magras, foi pedido que cada convidado levasse aquilo que fosse beber. Não havia nenhum expoente petista na confraternização.

Apesar da perda de influência, Dirceu tem mantido relação permanente com os correligionários, em especial deputados e senadores do PT. Fala com alguns deles ao telefone pelo menos uma vez ao dia e participa de reuniões informais, sempre fora do partido, onde evita passar. Está alinhado a um movimento crescente para que a legenda se descole da pauta “Lula Livre” e passe a atuar em outras frentes, com o objetivo de evitar o isolamento político.

A avaliação desse grupo é a de que a pauta única em torno da libertação do ex-presidente pode até segurar o terço do eleitorado que os petistas acreditam ter, de qualquer modo, em todas as eleições. No entanto, o samba de uma nota só, dizem, impede a sigla de romper essa bolha e, consequentemente, voltar a ser uma alternativa de poder em 2022 – um sonho que os petistas ainda acalentam, apesar da fragorosa derrota em 2018.

Se prevalecer, esse movimento provavelmente resultará no afastamento da deputada Gleisi Hoffmann, a maior entusiasta da agenda “Lula Livre”, do comando partidário na eleição interna, prevista para outubro. Nas últimas semanas, diversos petistas, como o deputado José Guimarães, os senadores Jaques Wagner e Humberto Costa, o governador do Piauí, Wellington Dias, e o ex-ministro Luiz Dulci desembarcaram na cadeia em Curitiba para medir o ânimo de Lula em relação a uma eventual mudança na linha de atuação do partido.

O ex-presidente, que antes estava fechado com a recondução de Gleisi, agora tem dito que “ainda é cedo para falar disso”. Para quem conhece o chefão petista, trata-se de um sinal claro de que ele já começa a aceitar a substituição de Gleisi. Dirceu, porém, embora apoie essa estratégia, está longe de liderá-la. Sinal dos tempos.

O ocaso do ex-ministro tem feito também com que ele ensaie uma espécie de autocrítica sobre o período em que o PT governou o país, algo que ele mesmo sempre se recusou a fazer. “Uma coisa é caixa 2 de campanha e relação com empresas para campanhas eleitorais. Se temos que fazer uma autocrítica, é aqui. Mas sabemos que Lula está preso pela esquerda, pelo PT”, disse ele no evento desta quinta. Em um jantar recente com parlamentares, questionou: “Lula precisou criar maioria e trouxe junto os vícios da política, Haveria outro caminho?”. Defendeu ainda que o partido se renove e se repense. Aproveitou para se defender das inúmeras acusações e condenações contra ele na Justiça. Refutou ter cometido qualquer crime e apontou que quem o acusa, os delatores, foram os que mais ganharam dinheiro por meio dele. A Justiça, como é sabido, pensa diferente.

APOSENTADORIA? NEM PENSAR
Diogo Mainard

Jair Bolsonaro vai gastar mais dinheiro com propaganda da reforma previdenciária. Não adianta nada. É um mau produto. Quanto mais ele explicar, pior. Ninguém quer se aposentar mais tarde, ganhando menos. A única defesa que se pode fazer da reforma é que, sem ela, o Brasil quebra.

Eu já me aposentei uma vez, em 2010. Larguei a imprensa e fiquei em casa escrevendo um livro. Foi a melhor fase da minha vida. A aposentadoria é ótima. Depois disso, para me penitenciar, porque é um sacrilégio ter tanto prazer assim, arrumei um trabalho que toma 14 horas do meu dia. E, dessas 14 horas, umas 7 são dedicadas à reforma previdenciária, o assunto mais aborrecido de todos os tempos, ao qual O Antagonista dedica uma quantidade desmedida de posts igualmente aborrecidos, em geral feitos por mim.

Apesar de ser essencial para a economia, a reforma previdenciária é ruim para os negócios. Ninguém quer ler sobre ela. É a PEC mata- cliques. Para me penitenciar, decidi trazer o tema também para a Crusoé. Mas é ainda pior do que isso. Daqui a alguns dias, vamos abrir outra frente de trabalho. Além de O Antagonista e da Crusoé, que vão continuar idênticos – ou seja, com a mesma carga horária -, poderei falar sobre a reforma previdenciária igualmente no A+, nosso novo empreendimento, que vai cobrir uma área do jornalismo que o site e a revista não cobrem.

Em breve, portanto, minhas 14 horas de trabalho vão se transformar magicamente em 18 ou 19. Não por acaso, a primeira providência que meu sócio e amigo fraterno Mario Sabino tomou foi obrigar-me a fazer, assim como ele, um seguro de vida. Desde então, estamos numa disputa entusiasmante para saber quem morre mais cedo, ele ou eu. É provável que dê empate. Aposentadoria? Nem pensar.

“O RUÍDO ESTÁ SENDO SUPERADO”
Às vésperas da votação da reforma da Previdência na CCJ, o presidente da comissão defende que o Planalto converse mais com os deputados e diferencie os que “têm bons objetivos” da “minoria que não tem”
Igor Gadelha

Em um churrasco no Paraná em outubro do ano passado, logo após sua primeira eleição para deputado federal, Felipe Francischini disse a amigos e aliados: vou ser o próximo presidente da Comissão de Constituição e Justiça da Câmara. A maioria riu. Achava que um deputado de 27 anos de idade, e em primeiro mandato, jamais conseguiria presidir a comissão mais importante da casa. Felipe ignorou. E passou a estudar o perfil de cada um dos 52 deputados eleitos pelo seu partido, o PSL, que poderia reivindicar o comando da CCJ por ter a maior bancada. Analisou o eleitorado, a região em que cada um havia sido mais votado e a área de atuação de cada um dos correligionários. Com as informações na cabeça, passou a ligar para os colegas pedindo apoio.

Àquela altura, a deputada Bia Kicis, do PSL do Distrito Federal, propagava pelos quatro cantos que tinha o apoio de Jair Bolsonaro para assumir o posto. Isso acabou ajudando o paranaense, que conquistou apoios também fora do PSL, justamente com o discurso de que não era o candidato do Palácio do Planalto. Antes de ir para Câmara, Felipe havia cumprido um único mandato como deputado estadual pelo Paraná, entre 2015 e 2019. Até então, só ia a Brasília para visitar o pai, o delegado da Polícia Federal Fernando Francischini, que era deputado federal. Na última eleição, os dois trocaram de lugar. Fernando, que queria ficar mais no estado porque pretende disputar a Prefeitura de Curitiba em 2020, agora despacha na Assembleia Legislativa do Paraná.

Formado em direito, Felipe Francischini sempre focou sua atuação na área de segurança, a exemplo do pai. A pauta o aproximou da família do hoje presidente Jair Bolsonaro. Entre um cigarro e outro (ele fuma, em média, dois maços por dia), o presidente da CCJ falou a Crusoé na última quarta- feira. Disse que falta uma “habilidade mais aguçada” da equipe de articulação política do Planalto, cobrou ações mais coordenadas, mas observou que, de duas semanas para cá, a relação do palácio com o Congresso tem melhorado. “Pelo menos o diálogo está fluindo de maneira mais tranquila. O governo já não tem dado mais tanta barrigada por aí”, afirmou. Eis os principais trechos da conversa:

A articulação política do governo está ruim mesmo ou o que se viu na audiência com o ministro Paulo Guedes foi um acidente de percurso?

É um processo muito natural que tem acontecido, na minha visão. Bolsonaro ganhou a eleição com apenas dois partidos, o PSL e o PRTB do vice-presidente Hamilton Mourão. Geralmente, no Brasil, quando um presidente se elegia tinha dez, quinze partidos ao lado dele. O ato de sair da eleição e sentar na cadeira presidencial era muito fácil quando se trazia tantos partidos para dentro da base do governo, com a distribuição de ministérios, com indicações políticas. Com Bolsonaro foi diferente: já houve uma ruptura. No caso da construção da base no Congresso, o que aconteceu? Na primeira semana, já chegou a PEC da Previdência, que é uma proposta bastante polêmica. Vários fatores ajudaram a fazer com que a articulação inicial fosse muito difícil. É claro que falta uma habilidade mais aguçada da equipe que foi montada na articulação política. Não que eles não sejam boas figuras, mas falta uma ação integral, uma coordenação maior. Mas tenho percebido que, de duas semanas para cá, tem melhorado bastante essa relação. Acho que as coisas estão se assentando um pouco no Congresso. Pelo menos o diálogo está fluindo de maneira mais tranquila. O governo já não tem dado mais tanta barrigada por aí. É preciso que se comece a distinguir quem tem bons objetivos da minoria que não tem.

Qual é o real motivo do incômodo dos parlamentares com o presidente? É falta de cargo, de emendas, de atenção?
Na experiência brasileira, o Legislativo sempre entendeu que era uma prática natural fazer indicações políticas para o Executivo. Tem governo que abre para a corrupção, tem governo que não abre. Mas sempre foi um processo natural na construção da política brasileira. Quando o presidente Bolsonaro entra e tenta fazer uma ruptura nesse sistema, querendo mudar alguns critérios, é claro que há um certo desconforto com a mudança. Só vejo que muitos parlamentares ficaram, talvez, um pouco irritados com algumas posturas, não do presidente, mas do governo como um todo, de tentar criminalizar ou tentar colocar como se essas indicações fossem sempre uma prática ilícita. Essa relação está sendo recosturada agora. Muitos parlamentares hoje nem querem indicar para cargos no governo. Querem ser atendidos pelos ministérios, para levarem seus prefeitos, governadores. Querem ter portas abertas junto ao presidente para poder levar questões de projetos de lei. Agora o governo também dá a entender que abrirá (a possibilidade de indicações), com currículo, com pessoas técnicas, obedecendo a muito critério e controle. Não será mais como antigamente, quando se loteava ministério O presidente está implementando esse processo de mudança. O discurso inicial gerou esse ruído, mas está sendo superado.

O líder do governo, Major Vitor Hugo, enfrenta resistências até mesmo dentro do PSL. Uma eventual saída dele poderia melhorar a articulação política?
Acredito que a troca não altera. No começo da nossa legislatura, havia muitas críticas ao Major Vitor Hugo. Expus isso a ele. Vejo que o desgaste criado no início é justamente decorrente desse processo natural de que falei, que é o da construção de uma base que não existia, de ruptura de um sistema de distribuição de cargos. Qualquer líder do governo teria um problema muito grande diante dessa ruptura, porque até as coisas se ajeitarem, é um processo difícil.

O bate-cabeça dentro da bancada do PSL pode atrapalhar?
O PSL era um partido que tinha um deputado federal e passou a ter 55, na conta de hoje. Geralmente, o partido do presidente, do governador ou do prefeito tem uma forte relação com o Executivo. Nesse caso, não acontece. Todos os nossos deputados são alinhados às pautas do presidente Bolsonaro. No entanto, o presidente nunca foi um dirigente partidário. Ele nunca exerceu comando formal sobre essas pessoas. Muitos deputados foram conhecer o presidente após a eleição. Concordavam com ele, defendiam, mas foram conhecer depois. No início, havia muito bate-cabeça dentro do PSL, havia muita divergência em pontos nevrálgicos. Hoje, vejo que está havendo um consenso maior, um direcionamento de ações mais efetivo que não demonstramos na sessão da leitura do parecer (da PEC da reforma da Previdência), mas acredito que isso vai ser corrigido com o tempo.

A oposição tem feito bastante barulho na CCJ. O governo terá muita dificuldade na votação da reforma da Previdência na comissão?
A oposição faz o seu papel. Se você analisar historicamente, em projetos como reforma da Previdência, como reforma tributária, a oposição sempre vem com argumentos veementes, com uma postura mais rígida, cobrando aspectos do regimento interno que às vezes nem estão no regimento. Eles querem, às vezes, sobrestar essas discussões para ensejar um debate maior. Então, encaro com muita naturalidade a oposição fazer todas esses questionamentos e até um pouco de barulho na comissão. No entanto, espero que o governo e a oposição façam um acordo para haver menos obstruções na votação. O acordo não depende de mim, e sim da liderança do governo com a liderança da oposição. Se não houver acordo, claro que as cenas de ontem (terça-feira, 9) se repetirão, com muito debate, muita discussão e, eventualmente, a suspensão da sessão por alguns minutos. Mas, se acontecer o acordo, tudo será diferente.


Há possibilidade de a proposta ser alterada já na CCJ?
A chance sempre existe. No entanto, em uma questão de ordem que respondi, deixei assentado o precedente aqui da Câmara de que não se admite destaque em proposta de emenda à Constituição, muito menos emenda supressiva. O que pode acontecer é, no parecer do relator, ele retirar alguns trechos em virtude de desconformidade com a Constituição. Então, caso a comissão entenda que isso deve acontecer, ou o relator vai mudar seu relatório para prestigiar o entendimento, ou podem fazer outro relatório paralelo e aprovar esse relatório. É possível a modificação. Não por emenda, mas apenas via texto do relator. Não acredito que vai acontecer.


Outros temas polêmicos passarão pela CCJ, entre eles, uma proposta do senador José Serra para implementar o parlamentarismo no país. O que
pensa sobre isso?

Sou favorável ao parlamentarismo. De todos os estudos que fiz, acredito que é o sistema mais adequado. Não é, porém, uma transição fácil. Qualquer discussão sobre parlamentarismo tem que ser com muito pé no chão, com muita responsabilidade. Sou favorável, desde que coloque alguns limites e nuances brasileiras dentro do parlamentarismo.

Outro tema que poderá passar pela CCJ é a prisão após condenação em segunda instância. O senhor é favorável?
Sou favorável. Na nossa reunião na CCJ, inclusive, alguns deputados pediram para eu designar logo um relator. O relator antigo era o deputado Rubens Bueno. Vou avaliar essa questão. Os deputados são favoráveis, em sua maioria, à prisão após condenação em segunda instância, mas têm a certeza de que isso precisa ser feito por proposta de emenda à Constituição, e não por projeto de lei. É algo que vamos analisar depois da reforma da Previdência.

Também há uma discussão na Câmara sobre criminalizar o caixa 2. Se a criminalização passar, os deputados tentarão anistiar quem recorreu a essa prática no passado?
Não vejo uma anistia como algo possível, até porque que isso já foi tentado em anos anteriores e a discussão foi retirada, por pressão da opinião pública. Sempre digo que concordo com o objetivo do ministro Sergio Moro de combatar o crime e a corrupção, mas acho que o assunto do caixa 2 tem que ser bem estudado para que não cometamos nenhuma ilegalidade ou inconstitucionalidade.

O que seria cometer ilegalidade ou inconstitucionalidade?
Temos que analisar primeiramente a decisão do Supremo Tribunal Federal sobre essa questão da Justiça Eleitoral e da Justiça comum. Depois, temos que analisar tudo que já foi feito no Brasil e quais seriam os reflexos disso em termos de ampla defesa, de contraditório, quanto a essas pessoas que cometem crimes na área eleitoral. É um tema sobre o qual ainda não formei uma convicção mais forte, porque acredito que tem que ser mais elucidado.

Concorda com a decisão do Supremo de transferir os processos para a Justiça Eleitoral?
A priori, fui favorável, mas não estou fechado a uma possível discussão. Há projetos que já estão tramitando na Casa. A deputada Bia Kicis (do PSL) é uma que tem trabalhado muito essa questão. E outros deputados querem, passada a Previdência, começar a discutir a revisão dessa decisão do Supremo.

A PEC da reforma tributária também deve passar pela comissão que o sr. preside. Acha que será uma discussão mais fácil?
Claro que reforma tributária nunca é um tema fácil, porque há interesses de todos os lados. Mas acredito que é um debate que o Brasil espera há décadas. O brasileiro não aguenta mais político prometer reforma tributária e não concretizar a votação dessa reforma.

Minha prioridade na CCJ, passada a Previdência, com certeza será estar atento à PEC tributária, para poder designar um relator que tenha conhecimento jurídico e tributário ao mesmo tempo, a fim de avançarmos logo e mandar para a comissão especial começar a analisar. Sou favorável à unificação de impostos. Em qualquer país que tem uma legislação coerente, os impostos são unificados, não há tantos impostos como no Brasil. Hoje no Brasil quem mais paga tributo sobre sua renda é o pobre. O pobre contribui com mais de 50% do que ganha. Temos que fazer uma reforma que seja justa para todos, mas que também simplifique a vida do empresário, desburocratize e que possa, na medida do possível, reduzir a carga tributária como um todo.

segunda-feira, 5 de novembro de 2018

GRILOS....muitos!

Cansei das redes sociais. Acho que vou voltar pra minha rede anti-social...


Filha, você já achou o martelo uma vez, quebrou a redoma de vidro e conseguiu! É uma vencedora! Mas existem outras redomas de vidro na nossa vida. Vai lá, quebra tudo!!! às vezes as coisas não são assim como parecem, a Esperança tem uma posição importante na vida da gente!

A gente quando é mãe por um período ensinamos, mas depois precisamos aprender. Eu aprendi uma infinidade de coisas com você. Se der, se puder aprende com esse cara, ele é fodástico!!!

Matheus Ribeiro
Mas quem disse que as orientações de políticas devem tocar em assuntos como gênero, raça ou religião? Políticas públicas como saúde, economia, corrupção, segurança pública e etc. servem para toda a população de uma nação independentemente de raça, gênero ou religião sem segregação outrora penso eu que seria inconstitucional... O que é abordado no texto acima não é que não se devem ter políticas que abordam os dois temas, mas sim que temos problemas muito sérios que tangem todo o tipo de pessoa e precisam ser abordados em propostas e contrapropostas e o que se vê no cenário nacional são pessoas e políticos utilizando da carta racial, de gênero ou religião para criar rejeição, quando o que a população realmente anseia é por resoluções de problemas básicos que nos acompanham desde governos intitulados de direita até os de esquerda (que supostamente priorizavam políticas sociais).

quinta-feira, 29 de setembro de 2016

CONHEÇA AS SENHAS DE WI-FI DOS AEROPORTOS

É uma rotina já bastante comum para os que costumam viajar muito: quando o avião para e a luz que nos manda manter o cinto de segurança apertado se apaga, a primeira coisa que fazemos é ligar o celular. No entanto, depender do roaming pode ser arriscado, especialmente no fim do mês, sendo mais seguro se conectar às várias redes wi-fi dos diferentes aeroportos. Bem, será que o aeroporto em questão tem wi-fi? Se sim, será aberto? Conseguirei me conectar? Um blogueiro viajante se propôs a reunir os acessos à internet dos aeroportos do mundo que ia conhecendo e disponibilizou esses dados para quem quiser usá-los.

Pouco a pouco elas foram chegando. Sentar em um banco qualquer na frente de uma sala VIP de um aeroporto onde nunca estivemos e se conectar imediatamente à sua rede wi-fi é algo que não tem preço. Polat aumentou a aposta criando uma página dentro do Google Maps na qual se pode clicar em um determinado aeroporto de destino antecipadamente e, assim, conhecer a sua senha. Esse engenheiro de informática publicou o mapa com as senhas no seu blog e os leitores reagiram positivamente de forma maciça, tornando públicas as diversas senhas das salas VIP do mundo todo.

O sucesso foi tamanho, que Polat decidiu tentar ganhar algum dinheiro com isso. Como fazê-lo? Criando um aplicativo pago (iOS e Android), em que os viajantes simplesmente selecionam o aeroporto de destino e, dentro do próprio aplicativo, copiam a senha em seu celular. Mais fácil, impossível. A rede social Foursquare, por sua vez, também vem enriquecendo a sua própria lista de aeroportos com redes sem fio abertas e com os principais comentários dos viajantes. As duas iniciativas são atualizadas em tempo real, de forma que seus usuários sempre contarão, na maioria dos casos, com a informação de acesso que está realmente em operação.

Matéria do jornal EL PAÍS

quinta-feira, 3 de dezembro de 2015

Renault Clio Campus 2008/09 - 1.0 16v - Flex

Piazada, to passando o Clio VENDIDO

sexta-feira, 10 de abril de 2015

A MARCA DA BESTA


Ficha Técnica
Autor: Robson Pinheiro
Editora: Casa dos Espíritos
Gênero: Espiritismo
Ano: 2010
Número de páginas: 720
ISBN: 9788599818084

Resumo
Trata-se do terceiro volume da Trilogia "O REINO DAS SOMBRAS", composta também dos livros Legião - um olhar sobre o reino das sombras e Senhores da Escuridão. O repórter do além Ângelo Inácio, juntamente com os guardiões Watab e Anton e sob a supervisão de Pai João de Aruanda irá desvendar ainda mais a fundo o submundo astral, entrando em contato com os Dragões ou Daimons, entidades que já não reencarnam mais na Terra devido ao altíssimo comprometimento com as Leis Divinas.

O livro começa no ano de 1997, quando o médium está em coma e é socorrido pela equipe médica de Joseph Gleber, um dos imortais citados em outras obras da trilogia. Em uma conversa com Willian Volts, Júlio Verne e Ranieri, a missão de Ângelo Inácio junto aos encarnados lhe é revelada. O livro aborda temas importantes, tais como o "fim dos tempos", o impacto das comunicações na modernidade, a "segunda morte", as drogas virtuais, os agêneres e as artimanhas dos Dragões para dominarem o nosso planeta.

Trecho do livro
Edgar Cayce acabou sendo muito mais abrangente do que provavelmente pretendesse o espírito que o interrogou sobre o tema; suas palavras ofereceram ampla possibilidade de estudos, revelando um número muito maior de implicações do que pensáramos anteriormente. Não obstante, após breve pausa e silêncio, ante as palavras de Cayce, outro espírito aventurou-se a perguntar:
— Quando se fala em mudanças gerais no sistema de vida do nosso planeta, qual a relação entre as alterações climáticas e a influência do homem encarnado no ecossistema, em seu equilíbrio geológico, climático e atmosférico?

Quase sem pensar, ou seja, imediatamente após a pergunta do rapaz, o sensitivo norte-americano pôs-se a responder, como se já esperasse aquele tipo de questionamento:
— Temos de entender que as reviravoltas de ordem climática, mesmo os efeitos concretos mais radicais e intensos, como aqueles que observamos na atualidade, não são eventos de caráter absolutamente inédito. No decorrer da história sideral de todos os mundos, e não somente da Terra, ocorrem mudanças, em intervalos de tempo variáveis, mas que fazem parte do desenvolvimento geológico de cada orbe na imensidade. Conquanto esteja ao alcance dos integrantes das esferas física e extrafísica a condição de acelerar ou retardar o processo em andamento, reiteramos: transformações como as que estão em curso são perfeitamente naturais. Aos residentes da casa planetária é dado grande poder, é verdade. Cabe-lhes assegurar e arquitetar o futuro de sua morada, por meio dos pensamentos e das atitudes, quer de preservação da vida e da riqueza ecológica, quer de exploração gananciosa e desmedida.

Mudanças climáticas, variação das estações, degelo dos pólos, inversão da temperatura em alguns lugares são todos fenômenos previstos em diversos instantes da história dos mundos. A singularidade é que, ao homem moderno, pela primeira vez em sua civilização, é dado viver, de perto, episódios similares a aqueles que o passado lendário ou pré-histórico conheceu, de maneira mais ou menos grave, mas predominantemente sem a presença do homem. A ignorância das massas sobre o assunto, ou mesmo de autoridades e formadores de opinião ao redor do globo, inclusive sob o ponto de vista histórico, faz com que apareçam ou seja necessário eleger culpados por essas reviravoltas. Desconhecem a realidade de que, por mais que o homem procure atenuar a situação vigente, ele apenas consegue interferir na velocidade do processo, precipitando ou desacelerando os acontecimentos. Contudo, de modo algum repousa em suas mãos o poder de iniciar ou gerar o processo de transformação, como se fosse ele o estopim ou o agente máximo da natureza.




Livros em PDF
01 - Legião - Um olhar sobre o reino das sombras
02 - Senhores da escuridão
03 - A marca da besta

quarta-feira, 1 de abril de 2015

ÍNDIGOS e CRISTAIS

ÍNDIGOS e CRISTAIS

As Crianças Índigo começaram a nascer na década de 70. Pensavam numa consciência maior do meio-ambiente e nas relações humanas.
As Crianças Cristal começaram a encarnar mais ou menos dos anos 1990 a 2010 e vários continuam a encarnar, muitos já são adultos.

Os Transicionais
"Sim, nós Índigos, somos os pais das crianças Cristal. Nós nos preparamos ou estamos nos preparando para recebê-los e orientá-los, pois nós viemos para isto. Viemos para começar e todo começo exige muito esforço".

Ainda tem dúvidas se você é índigo ou cristal? Suas energias e sua aura podem estar passando de índigo para cristal. Os Cristais puros mesmo no corpo áurico segundo Anni Sennov vieram a partir de 2009. Antes disto, tinham um padrão misto entre Cristal e Índigo.

Veja aqui se você está na transição e aprenda a lidar com isto: A Crise Transicional de Índigo para Cristal.

Os índigos eram os demolidores do sistema antigo, vieram para mudar e apontar o que estava errado. Os Cristais vem para consolidar as mudanças. Eles são o amor puro porque são a expressão pura do Espírito, sem a separação do corpo e do espírito como antes havia.

Os índigos vieram para preparar o terreno para a construção e os Cristais são os construtores, eles vieram à Terra com o propósito divino de pacificar e construir a Nova Terra. Possuem a compaixão e o perdão muito fortes dentro deles.

Telepatia e Mediunidade
Os Cristais possuem o dom da telepatia. Muitos conseguem ler os pensamentos e quando são bebês demoram a falar porque simplesmente sabem o que está sendo comunicado. Eles vão falar mais tardiamente, mas quando o fazem, falam perfeitamente e não apresentam atraso no desenvolvimento cognitivo e nem comportamental.

Muitas destas crianças são erroneamente diagnosticadas com autismo por conta disto. No entanto, os autistas não gostam de toques e não gostam de se aproximar das pessoas e nem são afetuosos. Os Cristais são muito afetuosos e gostam de abraçar, beijar, distribuir carinho, são o contrário dos autistas.

Conexão com a Natureza e os Animais
Os Cristais tem uma necessidade física e espiritual de estar em contato com a natureza, gostam de fazer trilhas, trekking, surf. Eles recarregam as energias desta maneira. Eles se conectam profundamente com a energia de amor dos animais e os amam como São Francisco de Assis. Os animais gostam e são atraídos por eles. Talvez por isso muitos Cristais, ainda adolescentes ou até crianças, resolvem se tornar vegetarianos. Eles são apoiados pelos pais e o fazem por pura consciência de amor pela natureza e pelos animais.

O silêncio
Kardec diz que os bons são tímidos, são silenciosos. Mudanças silenciosas podem ser revolucionárias - uma revolução silenciosa - pois os revolucionários barulhentos, todos eles morreram. Precisamos viver e sobreviver num mundo onde os violentos se fazem manchete de jornal e o lado das trevas se agita cada vez mais porque sabem que estão com seus dias contados, mas não precisamos fazer uma guerra contra eles. Seria fazermos o que eles querem. O que devemos fazer agora é nos mantermos longe dos sentimentos negativos e nos concentrarmos no trabalho de luz.
Silenciosamente...

Fonte: Compilação baseada no blog Planeta Azul Índigo

sexta-feira, 6 de março de 2015

A "DESUMANISAÇÃO" DO PODER NO PLANETA BRASILIS

É com uma infinita dor de uma brasileira que sempre amou, honrou e defendeu sua Pátria Brasil que trago o lindo desabafo de um Marciano. Sua visão de vida é do jeito que a vejo. Sonhei com tantas glórias nesse chão brasileiro que hoje se cobre de lama...




Colapso eminente

A humanidade vive um momento sem paralelo na sua história, qual grande armada ameaçando naufragar nas águas revoltas da incompetência, ganância, sede de poder e deseducação acelerada dos jovens aos quais cabe assumir as rédias do futuro.

As economias mundiais tem vivido situações bem conturbados, acompanhados de crises quase ininterruptas que abalam fortemente as estruturas produtivas e sociais, levando em muitos casos á destruição total do pilar fundamental de qualquer sociedade , a FAMÍLIA.

Estas situações quase sempre tem origem no péssimo desempenho das classes politicas e empresariais que de há muito deixaram de olhar a sociedade como um grupo de pessoas e passaram a vê-la apenas como um elemento estatístico de onde se podem obter votos ou lucros, perdendo-se o nome e identidade por troca de um numero, passando por cima de princípios e valores fundamentais, desumanizando-se, olhando os problemas da sociedade atual pela ótica da cadeira do poder político ou da cadeira de executivo empresarial, o que limita e deturpa em grande escala a visão sobre a mesma e suas necessidades.

Este ''modus operandis'' dos senhores da gravata e colarinho branco levou as sociedades para terrenos muito perigosos, onde pode colapsar, estando mesmo prestes a atingir o ponto de não retorno.

As famílias perderam o norte, abdicaram da sua responsabilidade maior que é sem dúvida a educação da sua prole, preparando-a da melhor forma possível para a vida e para o mundo social ao qual pertencem, empurrando-os em vez disso para a frente de computadores onde giram videogames, por norma de guerra e violência ou fazendo apelo à competição desenfreada, como se os reais valores da vida tenham deixado de ser o respeito, o amor ao próximo, a moral, a ética, o conhecimento e o trabalho, para darem lugar ao ponto de mira da metralhadora, os pontos ganhos em cada morte, em cada corrida louca disputada.

É cómodo mas extremamente perigoso.

Quem quer ver, vê e percebe que a sociedade jovem esta completamente abandalhada, desrespeitadora e agressiva, cada vez com menos interesse no aprendizado ministrado pelas escolas, sem que por parte dos responsáveis diretos (as famílias) haja tomadas de posição coerentes que recoloquem os jovens no caminho que deveria ser o seu. A juntar a isso, a inoperância das autoridades responsáveis pelo ensino é total e absoluta.

Os professores são desacreditados nas suas carreiras, nos seus salários e nos instrumentos postos à sua disposição para o control eficaz do magistério do ensino, nomeadamente ao nível de normas e procedimentos legais para o control eficaz de uma sala de aula onde é habitual serem “despejados” mais de 50 jovens, levando à insubordinação e à consequente impossibilidade de transmitir os conhecimentos , função maior de qualquer escola ou academia. Também a “Cartilha dos direitos dos alunos” não é devidamente acompanhada de uma outra “Cartilha dos deveres dos alunos”…e mesmo que nesta matéria algo exista, é absolutamente apagada pelos procedimentos dos responsáveis das escolas, na medida em que a lei é promiscua ou ambígua, dando com uma mão e tirando com a outra. Um exemplo disso é o uso e abuso do celular em sala de aula, proibido pela lei, mas sem que na pratica se tenham meios para que o mesmo seja retirado do aluno. Do mesmo modo, não é possível que o aluno que desrespeita as leis de normal e sã convivência dentro da sala de aula seja”convidado” a abandonar a mesma para que a aula possa prosseguir, sendo que apenas um de 50 alunos seja capaz de impedir todos os outros do aprendizado a que tem direito.

Aliás este padrão de desobediência e desrespeito dentro da sala de aula, acompanhado da violência verbal e física que é constatada nos jovens de hoje, é responsável pela grande maioria dos afastamentos de professores das escolas…Mas nada se faz para impedir este estado de coisas.

Está-se a criar um monstro de milhares de cabeças e a inépcia reinante apenas contribui para que a força deste monstro duplique, triplique, quadruplique...

A sociedade no seu todo , a politica e os meios produtivos tem que ser chamadas à responsabilidade antes que o ponto de não retorno seja transposto.

À sociedade, á família cabe o papel de educar, à classe politica cabe o papel de legislar e agilizar a legislação e até mesmo as polícias para que as escolas voltem a poder desempenhar o papel para o qual foram criadas que é o de ensinar, deixar de atribuir ao professor o estatuto de classe inferior, desqualificada e mal remunerada, já que não levar a carreira do professor a sério é o mesmo que matar qualquer possibilidade de evolução e modernização das sociedades e é uma politica declaradamente terceiro mundista.

Gostava muito que neste como em outros países a paixão pelo ensino fosse maior que pelo futebol, porque é nele que reside o futuro de qualquer nação.

NÃO PERMITAM QUE ESTE PAÍS DEIXE DE TER ESPERANÇA NO FUTURO.


NOTA DA LUA NUA: Só fico em dúvida se o título deveria ser A "DESUMANISAÇÃO" DO PODER NO PLANETA BRASILIS ou se melhor seria O BRASIL PEDE SOCORRO!

A ROUPA NOVA DO REI BRASIL

Desconheço a autoria da imagem
O Rei era muito vaidoso. Um vaidoso de marca maior. E tinha um fraco especial por roupas novas. Com calções e mangas bufantes, mantos arrastando pelo chão. Quanto mais comprido melhor. Sua grande distração e o ponto alto de seu reinado era quando desfilava por seus domínios com suas roupas novas. Os arautos corriam todos os vilarejos avisando a data e a hora, colocavam cartazes, e todos os súditos eram obrigados a estar ali a postos para assistir à passagem da nova roupa real.

O Rei vaidoso, filho de pais excêntricos, que o batizaram com o nome de uma árvore exótica, de um continente remoto, o Pau Brasil, já tinha provado dos talentos dos maiores alfaiates do mundo. Os Saint-Laurents, Givenchys, Dolce&Gabbanas, Armanis, Versaces da época, todos já tinham estagiado no palácio costurando uma roupa nova para o Rei. Quem seria o próximo?

E foi nesse momento de majestosa indecisão que apareceu lá pelos lados do reino um vigarista de terras distantes, tremendo 171, que, sabedor da fraqueza do soberano, fez-se passar por um alfaiate muito famoso lá de onde vinha e prometeu ao Rei que criaria para ele a mais linda das roupas que jamais ele tivera ou sonhara ter. Um modelito haute couture, refinadérrimo, que sairia muito caro, caríssimo, pois necessitava aviamentos especiais, linhas de ouro e prata, miçangas de diamantes, esmeraldas, safiras, colchetes de platina e por aí foi.

Encantado com tantas extravagâncias, o Rei lhe fez todas as vontades. O pilantra, então, guardou no seu baú todo aquele tesouro, e lá ficou diante do tear tecendo com fios imaginários e bordando com pedras inexistentes dias e dias.

Fazia isso com tal zelo, pompa, arrogância, ares de importância e convicção, que as pessoas, para não se fazerem passar por idiotas, confirmavam que, sim, elas o viram costurando a roupa do Rei!

Até que chegou o dia de “Monsieur” estilista vestir o Rei para a grande parada. O povo lotava as ruas ansioso. As bandeirolas, a expectativa, os cochichos: “Será que a roupa dele vai ser mais bonita do que aquela do Gucci?”, perguntavam-se alguns. Alguns até faziam bolo de apostas: “Joguei todas as minhas economias naquela veste do Calvin Klein, com manto clean. Pra mim vai desbancar a desse Monsieur estrangeiro”.

E estava o povão nesse tit-ti-ti, enquanto o Monsieur costureiro provava, diante do espelho, a roupa no Rei, cercado dos usuais nobres puxa-sacos.

O REI ESTÁ NUO Rei Brasil, inicialmente inseguro e intrigado diante daquela roupa invisível, que o estilista, afetado, requintado, sofisticado, exibia com tantos salamaleques, misturando o idioma local com várias palavras afrancesadas, porque era très chic, começou a ficar impressionado e, já que nada enxergava, julgando estar sofrendo ou de catarata ou de Alzheimer, pra não dar bandeira, exclamou: “Que lindas vestes! Você fez um trabalho magnífico!”.

Os aspones em volta fizeram coro, em francês, naturalmente (porque era très chic, repito)…

Primeiro vieram as bajulações em “ique”. “Magnifique”, disse um. Seguido em coro por “Fantastique”, “Féerique”, “Aristocratique”, “Monarchique”, “Mirifique”…

Depois, repetindo o ritual de sempre, nas provas das roupas, vieram os elogios em “ant”: “Éclatant”, “Éblouissant”, “Resplendissant”,”Étincelant”, “Flamboyant”, “Brillant”, “Rutilant”, “Rayonnant”, “Puissant”, “Imposant”, “Important”, “Mirobolant”, “Marquant”, “Étonnant”...

Em seguinda, com terminação em “el”: “Sensationnel”, “Surnaturel”, “Solennel”…

Por fim a apoteose dos “eux”: “Somptueux”,”Merveilleux”, “Radieux”, “Fastueux”, “Lumineux”, “Luxueux”, “Majestueux”, “Glorieux”, “Fameux”, “Prestigieux”, “Miraculeux”, “Prodigieux”,”Fabuleux”, “Courageux”…

Teve um, que não havia decorado o vocabulário francês distribuído pela assessoria real para ser pronunciado pela corte e soltou uns “Jabaculeux”, “Congelê” (provavelmente referindo-se ao frio que o rei desnudo estaria sentindo em pleno inverno), “Vexamê”. Mas, no meio de tantas palavras rococós, ninguém percebeu e também ficaram valendo como elogios.

Foi assim, cercado de suspiros de admiração, com o ego lá em cima, espetado mais alto do que o rubi no topo de sua coroa, que o Rei sai, nuzão, de cetro na mão, e foi desfilar sua banha, depois de consumir dois javalis no almoço, diante da multidão.

O povo até achou esquisito o rei pelado virar-se, pra lá e pra cá, como se segurasse um manto (o estilista ensinou-o a fazer assim), fazendo pivôs com sua capa aristocrática, pretensamente coberta de pedras preciosas.

Sim, porque os jornais locais já haviam descrito a roupa detalhadamente, até os croquis haviam sido divulgados em detalhes (o vigarista era bom desenhista) e todos sabiam como a roupa efetivamente era (ou seria).

Como não a enxergaram, todos daquele reinado temeram sofrer ou de catarata ou de Alzheimer e, para não dar bandeira, exclamaram: “Que marrrravilha!”. “Ah, esta bateu o Fendi disparado”. “Nem o Ferragamo faria melhor”. “Que Dior que nada, estilista bom é o estrangeiro”. Por fim: “Estou ferrado, perdi todas as minhas economias!!!”…

Até que um menino, sim, uma despretensiosa e desimportante criança, apontou para o Rei com os olhos bem abertinhos e gritou: “O Rei está nu!”.

E todos os olhos do Reino se abriram. E todos constataram que não tinham catarata, muito menos Alzheimer, e que estavam certos em seu julgamento inicial sobre o quão ridículo era aquele espetáculo de salamaleques falsos, pivôs pelados e manto fictício balançando pra lá e pra cá.

O Rei estava nu, nuzão, “nuzinho, pelado, nu com a mão no bolso”, como dizia a canção da abertura da novela.

E o povo pôde ver com os próprios olhos e pensar com a própria cabeça e julgar com o próprio juízo. E riu e gargalhou e se fartou. E cantou e dançou, gozando o “grande mico” do Rei.

E naquela noite, naquele reino, houve uma festança inesquecível, com todos opinando, comentando o quão ridículo e lastimável era ter um Rei tão vaidoso a ponto de achar que podia dominar as mentes de um reino inteiro.

Pois, seja num reino de contos de fadas ou num reino de contos de mídia, não basta mais do que um único dedo que aponte para qualquer castelo construído sobre as fundações da mentira começar a desmoronar.

OBS: Livre adaptação minha para a Roupa Nova do Rei, fábula primorosa e épica sobre os costumes humanos, de autoria do dinamarquês Hans Christian Andersen, leitura preferencial de minha infância. (Hildegard Angel)

Texto compartilhado da página de Hildegard Angel. Grata! Excelente adaptação de uma fábula atemporal, mas tão temporal!


NOTA DA LUA NUA: Dilma está nua???? O que você acha?

terça-feira, 3 de março de 2015

ELES ESTÃO ENTRE NÓS


VIAGEM ASTRAL COMPROVA A ABDUÇÃO DO AVIÃO DA MALÁSIA
Artigo de Moacir Sader

Quando do desaparecimento do Avião da Malásia em 08 de março de 2014, eu escrevi um artigo (clique aqui) enfocando que evidências destacadas pelo radar aéreo e minha intuição mostravam ter sido um caso de abdução.

Recentemente, em julho/14, uma amiga que desde criança vivencia experiências fora do corpo (viagens astrais), quando entra em contato com seres de outra esfera dimensional ou planetária, contou-me uma ocorrência de ajuda astral que ela fez a passageiros de um avião. Isso aconteceu na noite do desaparecimento do avião da Malásia, situação que, somente após vivenciar a experiência de retirada dos passageiros, ela soube da notícia pela imprensa.

Em sua narrativa, ela ajudou no resgate e especialmente na interação com os passageiros, explicando o ocorrido e auxiliando psicológica e espiritualmente, até porque eles não poderiam mais retornar às suas vidas terrenas, embora estivessem vivos, socorridos que foram por extraterrestres e intraterrestres.

Após a devida autorização desses seres socorristas, solicitada por minha amiga, eu recebi o texto e estou reproduzindo abaixo, no qual ela narra a sua especialíssima experiência astral, que esclarece ao que de fato aconteceu naquela intrigante noite. Acontecimento que acabou por se constituir no maior mistério da aviação civil da Terra nos tempos modernos, pelo desaparecimento sem nenhuma pista, apesar das buscas intensas feitas por diversos países. Eis a experiência:

Geralmente, quando algum evento grande está para ocorrer, minha sensibilidade logo alcança, pois, sinto um grande peso no corpo, tonturas e grande prostração de sono.

Neste dia (do desaparecimento do avião da Malásia), logo ao me deitar, antes de dormir, os visitantes amigos já estavam no quarto me aguardando, eram 4 seres, dois altos, magros, braços longos, mãos e dedos cumpridos e finos, cabeça grande, mas proporcional à altura que passava de 2 metros, cor azul clarinho florescente, exalavam um cheiro que não posso comparar a nada. Os outros dois eram pequenos, de cor cinza claro, magros, cabeças grandes, braços finos e mãos grandes com dedos finos, mas de punho fortes, pareciam ser servidores dos seres maiores, eles se comunicavam entre si. Quando entendi que mais uma vez iria com eles em alguma missão.

Vi-me sair com eles por um portal que se abriu dentro do meu quarto, levada em sono hipnótico. Os pequenos me carregavam nos braços, conseguiam sustentar meu corpo, meu peso, dava para sentir suas mãos e dedos me segurarem. Foi quando em pouco tempo, talvez pequenos minutos, me vi dentro de uma Nave gigantesca: havia um hangar, nele um movimento agitado de pessoas, que estavam sendo retiradas de dentro de um Avião enorme estacionado dentro do hangar. Aqueles pequenos seres cinzas retiravam as pessoas de dentro do avião. Na maioria, os passageiros estavam zonzos, confusos e assustados. Aqueles que me levaram lá me deram uma orientação por telepatia, pediram-me para ajudar acalmar as pessoas, que elas estavam seguras e protegidas, que nada de mal iria acontecer com elas, que estariam bem, iriam ser colocadas em salas de repouso e, posteriormente, orientadas.

Interessante é como eu consegui falar fluentemente em outras línguas diferentes do meu dialeto, quando não falo outro idioma além do meu simplesmente percebi, que foi ativado um canal de comunicação, enviada por eles à minha mente.

Fiquei algumas horas fazendo isso, até esvaziarmos completamente o Avião e colocar os seus ocupantes em salas separadas, selecionados por padrões de vibrações áuricos de cada um. Inclusive, aqueles que tinham algum tipo de enfermidade ou fraqueza, eram levados a uma sala de tratamento. O movimento foi grande e isso me deixou exalta.

Pela manhã, quase não acordava, sentia-me muito cansada, os braços doíam, mas automaticamente ao me sentar na cama, lembrei do ocorrido, me troquei, fui preparar o almoço, pois já não era hora de tomar café da manhã. E me assustei ao ver nos braços e pernas marcas de dedos e mãos. Eu sempre tive fragilidade capilar (pessoas que tem a pele sensível, que qualquer pancada ou pressão feita, deixa roncha), e aquilo era a prova de que foi mais uma atividade real na outra dimensão. Terminei de fazer o almoço, conclui algumas atividades de rotina de dona de casa, fui ao banho e pude observar melhor a marcas.

Durante o almoço, comentei então com meu filho, pois sempre falo com ele sobre as minhas experiências. Ele, apesar de ser cético e quase ateu, não me questionou, ficou curioso como sempre e disse: Mamãe, se aconteceu isso e algo com alguma Avião vamos saber.

O dia se passou, muito cansada e exausta, procurei descansar o corpo, fazendo tarefas leves e não olhei o noticiário, mesmo porque, aboli a TV em casa, estava me incomodando. Quando quero saber de algo, vejo pela internet. E, naquele dia, não olhei nada. Abri o computador, vi recados, respondi alguns, fechei e fui dormir. Novamente, retornei lá na Nave, direcionei-me às salas, conversei com algumas pessoas e fui orientada por estes seres, que não falam por não terem órgãos da fala. Telepaticamente, pediram-me para dizer àquelas pessoas que dentro de alguns dias eles seriam transferidos para outro lugar. Solicitaram-me também para comunicá-los que eles não haviam morrido, mas foi uma ação de resgate pois, o avião estava condenado a cair e explodir e todos morreriam. Mas, que eles iriam ter vida nova, não poderiam retornar à Terra, pois, havia um trato de sigilo, que não podia ser quebrado. Se eles voltassem, a realidade dos mundos seria revelada e que não era ainda o momento para isso, que a humanidade não estava preparada para entender e aceitar.

Depois de comunicar as pessoas e explicar a situação, vimos que houve uma reação de difícil aceitação: choro, tristeza e choque da realidade. Mas, já não havia outra opção. Neste momento, minha Psicologia e orientação espiritual ajudaram a acalmá-los com palavras de amor, apoio e carinho.

Já no outro dia, ao acordar, não mais fiz minhas rotinas, corri ao computador e procurei alguma notícia, foi quando pude checar que havia sumido um Avião na Malásia. Fique boquiaberta pelo fato, estava mais que comprovado que eu estive lá e que tudo era Real. Não sei porque desta vez, eles me deixaram lembrar de tudo, pois sempre fico esquecida, apenas me lembro de alguns lapsos de lembranças dos fatos.

Meu filho chegou em casa e disse: olha aí mamãe, tem um Avião sumido, será que a senhora esteve lá mesmo? Ele ficou encantado com esta minha experiência, ele também tem uma conexão mental com outras realidades, acessa arquivos e registros do Universo. Mas, mesmo assim, ficou pensativo com este acontecimento, mesmo sendo surreal.

Os dias se passaram e até o momento o dito Avião não foi encontrado. Comentei o fato com uma amiga do Facebook. Ela é muito curiosa com a possibilidade de existir outras vidas, outros mundos e a existências de seres extraterrestres. Ela sempre está pesquisando e buscando respostas, principalmente sobre um possível resgate em massa, caso venha o planeta a passar por um grande cataclismo. Foi quando ela me sugeriu conversar com estes amigos e fazer perguntas. Falei para ela, que me sentia muito à vontade com eles, não havia estranheza, nem clima de medo ou alguma coisa que fosse nociva a esta parceria. Não sentia necessidade de questionar nada, como já soubesse de tudo. Creio que sim, sinto segurança disto, apesar de não lembrar, mas sei que sei o que é, porque não me abalo.

Mas, ela me convenceu a perguntar para onde as pessoas iriam? E se eles iriam resgatar toda humanidade se houver um cataclismo? E, se existe uma previsão?

Sinceramente, de minha parte, eu já teria uma resposta, há muito já tinham me falando sobre acontecimentos e resgates. Eles não têm compromisso com pessoas, tem compromisso com o Planeta, resgatar pessoas, apenas quando vale apena para o Projeto Gaia.

Há muito que a humanidade foi infectada por um mal, enraizado nas culturas por milênios, relativos ao próprio grau de imaturidade moral e espiritual, tornaram-se prisioneiros de seus próprios vícios e tendências.

Nossos amigos são de uma Ética moral inabalada, o respeito ao livre arbítrio é algo que para eles é uma Lei, não podem interferir por hipótese alguma. Quando outros, que na terra se encontram, são o avesso deles. Poderia dizer que estes são uma versão nossa, em nível mental mais elevado, mas se caracterizam pelo mal que desenvolvem e manipulam em nosso meio e em tudo que hoje há, e que afeta nossa evolução e o caos no planeta.

Voltando as perguntas que me amiga sugeriu, fiquei um tanto pensativa, resisti à ideia, mas fiquei com ela em mente. Em outra noite, já me vi em Naves com eles, em viagem, logo percebi que eles leram minha mente e viram as perguntas que lá estavam, feitas por minha amiga Curiosa.

Levaram-me, então, até as montanhas e Alpes dos Andes. Pude ver que se abriu uma passagem, deixando a Nave entrar. Havia uma cidade intraterrena, bem arquitetada, de muito bom gosto e espaçosa. Seres de diversas Raças lá habitavam, senti que alguns eram de formas sutis, outros um pouco mais densos. Vi animais livres, pássaros, riachos, flores e seres a caminhar entre eles, por caminhos e relvas verdes, até chegar num prédio ou setor, em que havia um laboratório, onde humanos e seres “extraterrestres e intraterrestres” se uniam em pesquisas importantes. Explicaram-me, que estavam preocupados demais com a situação atual do planeta, a contaminação das águas pela Radioatividade, e que estavam tentando criar em laboratório um antídoto, para vetar os avanços da contaminação feita pelo homem. Entre outras preocupações, falaram-me, estava o equilíbrio energético da terra, onde forças contrárias estariam afetando de forma radical, podendo causar muitos danos à saúde e a harmonia da Vida sobre a terra. Mas que também estavam estudando e abrindo debates e ações para controlar estes fatos. Engenheiros Cósmicos já haviam desenvolvido um estudo, estavam quase prontos para executar.

Percebi, neste ínterim, que estava diante de irmãos e amigos que protegiam a humanidade e aqueles que têm importante missão nesta fase de transição planetária, como também são os Guardiões de Gaia.

Agora eu digo, cadê as respostas? Uma pergunta eu fiz: por que estou aqui vendo isso? Eles me disseram por telepatia, todos nós levamos chaves, cada ser, em especial alguns, possuem chaves para abrir portais, e isto é um segredo, pois somente quando estas chaves abrem é que eles podem ajudar ou interferir direta ou indiretamente de alguma maneira.

Com relação às questões que havia em mente, feitas por minha amiga, eles me disseram, você já tem a resposta, explique a sua amiga, diga-lhe o que for preciso. Eu entendi, e sabia exatamente o quê estavam me dizendo. Difícil seria fazê-la entender, quando as pessoas criam expectativas e não conseguem romper o véu da insensatez.

Fiz mais uma pergunta: por que, se tenho uma chave, eu não sabia disso antes, e sofri muito, passei até como maluca por alguns, como hoje ainda pensam, e não me avisaram?

Eles me disseram, que alguns séculos atrás e em outros mundos, muitos fatos trágicos ocorreram em mundos que passavam por provas, expiações de evolução, em que estas pessoas foram massacradas e mortas sem poderem concluir a missão. Não querem que volte acontecer, já houve muitos atos de heroísmo que não acelerou mudanças moral alguma, a humanidade está cega, surda e muda na ilusão da 3D. Por isso que são controladas e usadas pelas sombras. Os irmãos especiais ou missionários específicos cumprirão seu fardo, no tempo previsto, para não sofrer danos maiores e prejudicar o Plano Superior. Diante desta Revelação, tive a certeza de que no fundo, sempre soube disto, ao menos sentia de alguma forma. Fiquei tranquila e agradeci a importante revelação. Agora poderia compreender melhor e responder a tantos outros questionamentos. Tudo estava se encaixando.

Despedimo-nos dos irmãos do Laboratório, passamos novamente entre a relva e lindos seres, retornamos a Grande Nave, onde lá me falaram que os resgatados estavam sendo separados e preparados para irem para as Colônias de acordo com as vibrações e seriam ajudadas e os especialistas iriam trabalhar a serviço de Gaia e dos outros mundos.

Retornando para casa, fiz uma pergunta, sobre o que fariam com o Avião? Eles me disseram que possivelmente seria encontrado depois de algum tempo, eles iriam colocá-lo em um local visível, para não levantar suspeitas, mesmo porque, estavam previstos outros acontecimentos, que eles não poderiam intervir da mesma forma, mas que seriam salvos alguns passageiros e tripulantes. Em tragédias e cataclismos, eles sempre atuam e fazem resgates, isso já é um fato. Foi quando me lembrei, que durante aquele Tsunami que houve na Indonésia, eu estava lá e os ajudei a resgatar pessoas e animais (assunto para outro momento).

Sendo assim, prezado e querido amigo Moacir, hoje tenho uma melhor visão daquilo que posso ser, de onde vim e para onde vou, só mudamos a rota se quisermos, somos todos livres. Mas, se mudarmos a Rota, não só vai prejudicar a um, como irá prejudicar todo um plano e atrasar avanços necessários a todos. Compreendo hoje porque pessoas aparecem em nossas vidas e somem, porque aquelas que aparecem, também trazem chaves neste mundo, para consolidarem projetos e causas. Seja de uma maneira ou de outra, fecham-se e abrem-se ciclos, e se observarmos atentamente, saberemos distinguir e discernir os sinais. Somos interligados a Inteligência Maior, é um dom que todos possuem e podem usar, se não temer as verdades e sair desta Matrix.

Venho mantendo com frequência um canal com nossos amigos, telepaticamente, em viagens e contatos em dias ou semanas alternados.

Tenho me sentido cansada, pois minha rotina mudou muito. Hora de Dormir, nunca é certa, hora de comer não tenho, lazer quase nenhum, só trabalho de alto nível de responsabilidade, tanto aqui, como no astral e em outros mundos. Mas sei que vim para cumprir o que já havia sido combinado. Então, respirar fundo, agradecer e fazer acontecer. Tudo está Fluindo.

Querido Moacir, eu confio em você, porque sei que você faz parte do plano. Já me disseram.

Como visto na narrativa, tudo se consolida com a minha intuição ao escrever o primeiro artigo sobre o desaparecimento do avião da Malásia e que muito da experiência acima transcrita apresenta correlação com as revelações constantes dos livros Conspiração Interdimensional 1 e 2 (ambos canalizados), ou seja: sobre os seres do bem e do mal, (os que ajudam e os que atrapalham e atrasam o progresso espiritual da Terra); sobre a possibilidade de acontecerem viagem entre dimensões por intermédio de naves espaciais (situação que vem acontecendo com muitas pessoas, embora nem todas se recordem após as noites de sono) e sobre a possibilidade de uma pessoa ser levada para outra dimensão sem passar pela morte física (isso aconteceu com personagens dos livros e agora com os passageiros do avião).

Os passageiros e tripulantes do voo, portanto, não tiveram mortes físicas e estão em uma nova existência, salvo que foram de morte iminente, uma vez que o avião cairia por algum problema, sendo, por conseguinte, um caso de abdução, um resgate pautado no amor. Como ainda foi revelado, alguns permaneceram na grande nave, outros foram transportado para colônias de outro mundo e alguns levados para a cidade intraterrena, de acordo com nível vibracional/espiritual, saúde e conhecimento, com o intuito de trabalhar em prol do bem maior e coletivo.

O possível encontro de alguma parte do avião poderá ainda acontecer, como revelado, por uma estratégia de transparecer acontecimento natural e dar uma satisfação aos países, com o fito de ser o mistério desfeito, pois, como os seres disseram, se a verdade fosse divulgada pelos meios de comunicação em massa ou acontecesse o reaparecimento dos passageiros, tais situações gerariam um grande problema, uma vez que a população mundial, em sua maioria, não está, por enquanto, preparada para as vidas multidimensionais e presenças de seres de outras dimensões interagindo-se diretamente com pessoas terrenas.

Em face do que foi dito no parágrafo anterior, pode parecer antagonismo a autorização dada pelos seres para a divulgação da experiência vivida por minha amiga, porém, entendo que o fizeram por saberem que a leitura terá um efeito positivo especificamente naqueles que já acordaram ou estão despertando para uma nova realidade ligada às diversas dimensões, muito além do limitado mundo tridimensional em que vive, encarcerada, a maioria da população terrena.

Luz, amor e conhecimento
.

Moacir Sader
Mestre de Reiki Usui, Karuna e da Chama Violeta


Texto achado no site de Moacir Sader
Vídeo do Youtube: Segredos de OVNIs das caixas pretas

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...