segunda-feira, 4 de fevereiro de 2008

SE EU MORRER ANTES DE VOCÊ

Nelson de Oliveira*


Se eu morrer antes de você, faça-me um favor.
Chore o quanto quiser, mas não brigue com Deus por Ele haver me levado.
Se não quiser chorar, não chore.
Se não conseguir chorar, não se preocupe.
Se tiver vontade de rir, ria.
Se alguns amigos contarem algum fato a meu respeito, ouça e acrescente sua versão.
Se me elogiarem demais, corrija o exagero.
Se me criticarem demais, defenda-me.
Se me quiserem fazer um santo, só porque morri, mostre que eu tinha um pouco de santo, mas estava longe de ser o santo que me pintam.
Se me quiserem fazer um demônio, mostre que eu talvez tivesse um pouco de demônio, mas que a vida inteira eu tentei ser bom e amigo.
Espero estar com Ele o suficiente para continuar sendo útil a você, lá onde estiver.
E se tiver vontade de escrever alguma coisa sobre mim, diga apenas uma frase:
"Foi meu amigo, acreditou em mim e me quis mais perto de Deus!"
Aí, então derrame uma lágrima.
Eu não estarei presente para enxugá-la, mas não faz mal. Outros amigos farão isso no meu lugar.
E, vendo-me bem substituído, irei cuidar de minha nova tarefa no céu.
Mas, de vez em quando, dê uma espiadinha na direção de Deus.
Você não me verá, mas eu ficaria muito feliz vendo você olhar para Ele.
E, quando chegar a sua vez de ir para o Pai, aí, sem nenhum véu a separar a gente, vamos viver, em Deus, a amizade que aqui nos preparou para Ele.
Você acredita nessas coisas?
Então ore para que nós vivamos como quem sabe que vai morrer um dia, e que morramos como quem soube viver direito.
Amizade só faz sentido se traz o céu para mais perto da gente, e se inaugura aqui mesmo o seu começo.
Mas, se eu morrer antes de você, acho que não vou estranhar o céu...
Pois ser seu amigo, já é um pedaço dele.



* Nelson de Oliveira - nasceu em 1966, em Guaíra, SP. Escritor e mestre em Letras pela USP, publicou Naquela época tínhamos um gato (contos, Cia. das Letras, 1998), Subsolo infinito (romance, Cia. das Letras, 2000), O filho do Crucificado (contos, Ateliê, 2001, também lançado no México), A maldição do macho (romance, Record, 2002, publicado também em Portugal), Verdades provisórias (ensaios, Escrituras, 2003) e O oitavo dia da semana (romance, Travessa dos Editores, 2005), entre outros. Em 2001 organizou a antologia Geração 90: manuscritos de computador e em 2003, Geração 90: os transgressores, com os melhores prosadores brasileiros surgidos no final do século XX, ambos para a editora Boitempo. Ainda em 2003 editou com Marcelino Freire o número único da revista PS:SP. Colabora regularmente com o jornal Rascunho (PR) e com o caderno Idéias & Livros, do Jornal do Brasil (RJ). Dos prêmios que recebeu destacam-se o Casa de las Américas (1995), o da Fundação Cultural da Bahia (1996) e duas vezes o da APCA (2001 e 2003).


NOTA DA LUA NUA: Há algum tempo minha amiga/irmã Bugra mandou esse texto. Hoje deu vontade de postar.

4 comentários, falta o seu:

Craudinha Egg disse...

tua amizade me faz ficar um pouquinho mais perto do céu... mesmo que seja porque estamos voando na tua vassoura...
muito obrigada por estares dentro do meu coração...
amo você
mils bjos saudosíssimos

Lua Nua disse...

Eu também te amo Craudinha!
A saudade já vai passar, tá?
Eu tô voltando pra casa semana que vem.
Bjs

Craudinha Egg disse...

semana que vem é hoje também... já chegasse?
liga...
bjos

suelen disse...

nao conhecia essa letra...qundo li chorei tanto,pois recentemente faleceu um irmão meu e éramos mto próximos amigão mesmo...lembrei imediatamente dele..a saudade é imensa...

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...