sábado, 12 de maio de 2012

A LENDA DAS MATRIOSKAS

Uma boneca dentro de outra, dentro de outra e mais outra...
A LENDA DAS MATRIOSKAS
Reza a lenda que um artesão russo moldou uma tão bonita que relutou em vendê-la. Levou-a para casa, colocou-a junto ao criado-mudo e batizou-a de Matrioshka. Todas as noites, antes de dormir, o senhor perguntava se ela estava feliz. Até que certa noite Matrioshka pediu um bebê. O artesão esculpiu, então, uma boneca menor chamada Trioshka, serrou a Matrioshka e colocou o bebê dentro dela. Na noite seguinte, a Trioshka também pediu um bebê. O senhor fez uma nova boneca e colocou-a dentro da Trioshka – desta vez a bebê se chamava Oshka. Assim, seguindo o caminho das outras, na noites seguinte Oshka pediu um bebê, e lá se foi novamente o senhor fazer mais uma. Desta vez, pensando que isso não iria acabar mais, o artesão fez o bebê, desenhou rapidamente um bigode nele e o chamou de Ka, garantindo que seria homem e não iria pedir um bebê novamente.

Curiosidades:

- Em alguns lugares as bonecas são feitas sem a boca, para que não façam pedidos e sim escutem os desejos de seus donos. Ao atenderem o desejo, uma boca deve ser desenhada nela;

- As bonecas russas matrioskas, também conhecidas como matrioshkas ou babushkas, são símbolos da cultura daquele país. As tradicionais são de madeira, de colorido exuberante e constituídas de cinco a oito unidades, feitas sempre em ordem de tamanho.

NOTA DA LUA NUA: Como bem diz a lenda russa, em algum momento da vida de quase todas as meninas, brota o desejo de terem filhos. Temos mães e seremos mães, mas termos mães é diferente de sermos mães.

Quando temos mães ficamos em contato com nosso "eu mulher", com nossos questionamentos, com o jeito que queremos ser e o que buscamos viver. Fazemos uma busca constante do nosso tempo e espaço na vida.

Quando somos mães nos conectamos com nossas raízes, com nosso "eu infantil" e normalmente procuramos equilibrar o que ficou deficiente na nossa infância. Com nossos filhos aprendemos a olhar a vida de uma outra forma. Eles nos questionam com uma visão que não tivemos quando tínhamos a idade deles, e com isso tentamos consertar etapas que pulamos na ânsia de crescermos. Eles nos cobram eterna modernidade e atualização. Talvez por isso nasce a vontade de engravidarmos, mais do que a perpetuação da espécie, de alguma forma buscamos a perpetuação de nós mesmas.

7 comentários, falta o seu:

m@xi disse...

Minha amiga, eu acredito que sejamos almas milenares vivendo uma experiência física, e acredito em reencontros. Tu, Melanie, com certeza é um destes meus lindos reencontros, que nesta vida tenho como minha amiga! Um Especial e Feliz Dia das Mães para ti amanhã, querida, e que Deus te abençoe.

Anônimo disse...

Interessante a origem das MATRIOSKAS, já ouvi várias versões, essa sua é nova para mim.

À você desejo as realizações que os sonhos permitirem alcançar. Saúde e união, sempre.

Feliz Dia das Mães!
com o amor da sua irmã Nana.

Simone MartinS2 disse...

Bom dia querida Melanie,
voce deve ser uma Matrioska
iluminada pela Lua e abençoada
por DEUS, contemplada pelas estrelas e protegida pela nossa
Mãe Gaia, enraizada nas terras
em plenitude e sabedoria, busca
sempre historias que nos enchem
de alegria...Te Amodoro acredite!
E quem sabe um dia, a mesma Lua que
te visita, não passe por aqui e me
visite tambem, sempre trazendo noticias suas...Bjinhos e um FELIZ DIA DAS MÃES iluminado e energizado com meus bjinhos magicos enfeitiçados para te fazer sorrir!! Fique bem! Fique com DEUS!

)O(Lua Nua)O( disse...

Rosa Azul,
Amo seus comentários! Sempre prenhes de energia.
Bjs

Anônimo disse...

É a boneca das bonecas.. e vou mais atrás, anos sem fim, onde um espírito errante por terras e águas, procurou e achou coisas iguais das épocas e deles semelhanças também. Ele, seu cajado e pés sola dura, nas areias dos tempos, escreveu o que viu e apenas o céus, noite e dia, lia as linhas. Os escritos se foram vergastados pelos tempo e só, em seu bolso, um pedaço de madeira, ôca e entulhada de grãos. Quando indagado, retrucava: minhas vidas! Matrioscas assim são, cópias das verdades do que fomos e o bloco etérno dos futuros. Meu beijinho doce meia flor dos meus tempos! AAndrade

Mery disse...

Esse cara aí em cima é ele* ...sim é o sensitivo; tudo bem, vou ficar um tempão sem falar com ele, acabei de ler a postagem dele é uma aula* , um "aprendizado" sei lá é gostoso de ler. Ele é como você "sábio... Eu não sou merecedora de seus comentários, mas sou fã, fazer o quê?
Ah, gostei da origem das Matrioskas, nunca tinha ouvido falar, nossa! É bom aprender.
Teu texto e o comentário dele são deliciosos, eu gostei das Matriokas e eu tenho um boneco que pede muito, cara...
Legal queria ter mais bonecas, e ...
Beijinho doce meia flor dos meus tempos(?)Adorei!
BEIJO, DSCULPA A BRINCADEIRA.
Mery*

Amy KuroNeko disse...

Nossa, que lindo mãe!
Amei a lenda, já tinha me perguntado qual era a dessas bonequinhas, apaixonei! <3

Acho que, no meu caso, não fui mãe porque queria (perpetuar a especie ou a mim mesma); fui mãe porque precisava da cura que a minha princesa trouxe pra mim.
Ela me amou primeiro.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...