segunda-feira, 16 de maio de 2011

MOLHO DE TOMATE

Quem me conhece sabe que gosto de pilotar qualquer fogão, principalmente à lenha. Não sei se sou boa cozinheira ou não, uma vez já até me disseram algo tipo: Você!?! Cozinheira?!?! Você não é cozinheira!!! Minha comida também não é tão ruim assim. Mas... acho que foi meio #invejinha.com mesmo porque recebo sempre muito mais elogios do que críticas. Meus fãs do caldinho de feijão que atestem isso.

Pois é, hoje passeando pela net achei uma receita bem interessante que trouxe aqui pro Lua Nua exatamente como foi escrita pelo autor.

Ainda não fiz, mas amanhã mesmo vou ao mercado comprar tomate italiano.




O MELHOR MOLHO DE TOMATE DO MUNDO
Monstro na Cozinha




Nunca tiro pele e sementes de tomates. Sempre vejo chefs fazendo isso e dando dicas, já tentei fazer receitas dessa forma, mas nunca achei que fosse algo necessário para a gastronomia caseira, e nunca achei que o sabor fosse realmente alterado por preparar comidas com tomates completos (em alguns casos, acho até interessante ter aqueles fios de pele de tomate enrolada).

Então na receita que descobri para o melhor molho de tomate do mundo, costumo fazer usando ele todo, sem descascar. O procedimento é um tanto longo, mas o resultado vale muito.

Em primeiro lugar, quando vou ao supermercado, compro logo uma dezena de tomates italianos bem maduros. Ao chegar em casa, corto eles ao meio na vertical, tempero com azeite, sal, açúcar e pimenta do reino e coloco no forno para assar e desidratar. Este é o processo para chegar perto do tomate seco caseiro, que rende várias receitas diferentes e bem melhores de que as que usam tomates secos comprados prontos. Depois de mais de duas horas de forno bem baixo, os tomates já secaram (mas continuam bem carnudos) e podem ser guardados por alguns dias sem problemas na geladeira.

Para o molho, refogo meia cebola com uns poucos cubos de bacon e depois bato esse refogado no processador com os tomates secos. Neste ponto, pode-se acertar o tempero com mais sal, pimenta, alho e ervas (manjericão fresco é o ideal). Para finalizar, o creme passado no processador é levado para a panela com um pouco mais de água e vinho tinto, para encorpar ainda mais. Depois de ferver por alguns minutos, é só buscar a textura desejada.

Na última vez em que preparei este melhor molho de tomates do mundo, servi com um nhoque de batatas comprados prontos, que absorveram perfeitamente o sabor do molho.

1 comentários, falta o seu:

Mariposo-L disse...

Hummmmmmmmmmmmmmmm parece muito bommmmmmmmmmmmmmmmmmmm :)

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...