domingo, 18 de novembro de 2007

TRIBOS

Imagem achada no site: CMI


Vocês não conseguem viver sem rótulos e tribos?
Skinhead
Punk
Hardcore
Góticos
Emocore

Se não conseguem, tentem ao menos não se matarem apenas pelo fato de pertencerem a tribos diferentes, pois é justamente a diferença que nos enriquece.

Se tivéssemos um mundo só de negros
ou de mulheres,
ou de hippies,
ou de judeus,
ou de capitalistas
ou de fascistas
ou de anarquistas
ou de qualquer outra coisa que fizesse com que fôssemos um só tipo de pensamento, um só estilo, um comungar sem opções, eu acredito que seríamos humanos muito pobres.

E porque comecei este post falando sobre isso?

Por que hoje fui ver um show de uma banda chamada NUNCA INVERNO. Eles tocam hardcore e apesar deste não ser meu estilo favorito, meu filho é um dos integrantes e como eu nunca tinha visto eles tocando, fui.

A galerinha não me surpreendeu. Estavam em 14 pessoas, muitos deles convivem com minha família, já dormiram na minha casa, os conheço bem e a grande maioria:
É de paz
É educada
É vegetariana
Não fuma nada
Não usa drogas
Não toma bebida alcoólica

Tocaram num espaço que mais parecia um estúdio. Tocaram de forma alegre, com letras de cunho social e brincadeiras na platéia entre os adeptos.

Mas...

E a parte do “mas” foi a que não gostei nem um pouco.

Tinham uns punks, que assumiram o bar com umas comidinhas vegetarianas bem gostosas e um skinhead com a namorada (que estava na paz).

Eu só não entendi muito bem porque na hora que o skinhead foi embora com a namorada os punks se juntaram em grupo e começaram a xingá-los e ameaçá-los com paus e pedras. Acho que a sorte deles foi um amigo chegar de carro bem na hora. Os punks não se dando por satisfeitos furaram o pneu esquerdo dianteiro e quebraram o vidro traseiro do carro que partia em velocidade.

A partir disso todo o prazer e magia de ver meu filho tocar bateria se transmutou em uma enorme preocupação.

Eu, como a única figura materna e adulta daquele grupo de amigos do meu filho, tinha que tomar decisões rápidas para tirar “meus meninos” de um risco de violência que eles não previram.

Voltei para estúdio, mesmo sabendo que os skinhead poderiam voltar com mais integrantes, que os punks iriam encaram o número que viesse, que esse seria o pior lugar que poderíamos estar, pois o espaço é praticamente um corredor com uma sala na frente e um estúdio atrás, que se os dois grupos entrassem nós correríamos sérios riscos, pois um dos punks estava armado.

Comecei pelo meu filho, pedindo para irmos embora, mas ele me respondeu (sabiamente) que não poderia, pois os amigos estavam ali. Então pedi para um dos amigos dele, o Luis, me ajudar a tirar “os meninos” dali, no que ele me respondeu:

- Vim aqui para tocar e cantar e não pra tomar porrada! E reuniu os amigos para dar uma direção ao grupo. Todos estávamos reunidos e alguns meninos começaram a discordar de saírmos de lá, queriam ver tocar a última banda da noite. Nessa hora não me contive, entrei na roda e falei que eu era a única mãe no grupo, que não estava pedido opinião e que eles deveriam respeitar o estava decidido, tínhamos que ir embora.

Como eles teriam que andar uns dois quilômetros até onde estavam hospedados, achei por bem tirá-los dali de táxi o mais rápido possível. Precisaríamos de uns quatro carros e como não consegui nenhum telefone de empresa fui para a rua, parei o primeiro e pedi ajuda ao motorista. Pedi mais três carros para tirar meus “filhotes” dali. Falei que estava se formando uma briga e que eu tinha pressa de tirá-los em segurança. O taxista me ajudou, parando outros carros vazios e por R$ 40,00 conseguimos levar a meninada em segurança.

Luis, obrigada pela sua calma, sua consciência, sua liderança natural, sua força de caráter e sua ajuda.

Minha Santinha, obrigada por mais esta força que pedi e fui atendida.

Agora posso dormir, quase totalmente, em paz. “Meus meninos” ainda estão na estrada voltando para suas casas, mas todos íntegros.


Ta bom... Eu fiquei com medo sim, mas sei que Deus nunca abandona seus filhos de fé.

3 comentários, falta o seu:

alximist disse...

Nossa que coisa!
Mais que é isso... agiu bem.
Agora tambem não etendo esta coisa dos gruposque atacam outros. Uma dinamica do grupa que controla os membros idividuos que provavelmente nunca iriam agir assim separados.

Lua Nua disse...

alximist

Eu sei que um individuo só não agiria assim. Mas o que eu menos e
ntendo é que eles fazem apologia ao vegetarianismo, à não matança dos bichos para alimentar o homem, mas brigam, batem e podem até matar uns aos outros.

Aí minha cabeça não entende isso. Tribos brigando para mim são como países em guerra. Ao menos que matem as galinhas e deixem os humanos em paz.

bjs

Mariposo-L disse...

"Emocentro" um local para convenção de emos :))

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...